Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Newsletter

Receba as nossas atualizações no seu e-mail.

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,74 3,74
EURO 4,37 4,37
LIBRA ES ... 5,00 5,00

Edilson Silva questiona análise de ação no STF que pode viabilizar parlamentarismo

Em discurso no Grande Expediente desta quarta (30), o deputado Edilson Silva (PSOL) criticou a decisão da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, de pautar o julgamento de uma ação que verifica a possibilidade de se instituir o parlamentarismo no Brasil por meio de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC). Com análise agendada para o próximo dia 20 de junho, o questionamento foi feito à Corte pelo então deputado federal Jaques Wagner (PT), em 1997. “Nestes tempos de aberração jurídica em que o País vive, qual o objetivo da presidente do STF ao desengavetar essa provocação?”, indagou o parlamentar, destacando que a decisão da ministra pode agravar o momento de crise política e econômica do Brasil. “Isso me parece a consequência de um golpe político que teve a sua fase parlamentar e, agora, avança na sua fase judiciária”, avaliou. O psolista acredita que permitir a mudança no sistema de governo via PEC trará insegurança política ao País. “Amanhã ou depois qualquer presidente eleito poderá ser destituído de seus poderes a partir da organização de uma maioria parlamentar”, acrescentou. Edilson lembrou, também, que a população já fora consultada, por meio de plebiscito realizado em 1993 sobre o sistema de governo no Brasil, conforme estabelecido pela Constituição Federal no Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT). Ele considera que uma nova decisão sobre o tema deve, obrigatoriamente, passar pelo crivo popular. “Com o argumento de que é preciso afugentar iniciativas de intervenção militar, a ministra coloca o STF como guardião da democracia, quando, na verdade, a função dele é guardar a Constituição. A democracia é sustentada pela soberania popular, e não pelo Plenário do Supremo”, sustentou. Os deputados Tony Gel (MDB) e Zé Maurício (PP) se posicionaram sobre o tema, em apartes. “Eu acho que esse absurdo não passará, porque trata de uma cláusula pétrea e, portanto, só pode ser mudada por uma Assembleia Nacional Constituinte”, opinou Tony Gel. “Estranha-me muito a ministra levar ao Plenário uma questão dessas diante do atual contexto do País. No momento, precisamos de serenidade e de equilíbrio”, concluiu Zé Maurício.
30/05/2018 (00:00)

Contate-nos

Rua dos Andradas  , 1560  , 16º andar
-  Centro
 -  Porto Alegre / RS
-  CEP: 90020-010
0800 880 84034003 8403
Visitas no site:  1241
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.